Origem do risoto

 Se você ainda não sabe, risotto significa “pequeno arroz”. Surgiu na Itália no século 11, quando os muçulmanos, que dominaram parte da região, levaram o arroz do Oriente.
Conta a tradição que no século 16, Valerio de Fianders, famoso mestre vidreiro, casou-se sua filha, e o prato principal do banquete foi um risotto. Um de seus alunos, que adorava açafrão, subornou o cozinheiro para que este acrescentasse a iguaria ao prato, surgindo o “risotto alla milanese”, que foi apreciado por todos os convidados!

Conheça o “Risoto de Rúcula com tomate cereja seco“!

 Visite o site “O gastrônomo” e confira os eventos: “festival de pizzas”, “massas”, “risotos”, “oriental” e “mexicano”.
“O gastrônomo” também oferece cursos de “pizzas”, “massas” e “risotos”. Além disso, “O gastrônomo” personalité; com o petit comité, que consiste em eventos para pequenos grupos, como “almoços” e “jantares” sociais ou de negócios, confira tudo isso com o Chef Moisés Costa.  Apoio: foodbrasil.net

História do macarrão

Muita gente pensa que o macarrão é de origem italiana! Mas não é! Esta deliciosa massa foi desenvolvida na China há mais de 3mil anos.
A base do macarrão chinês, diferentemente da base de farinha de trigo hoje utilizada na maioria das massas, era de algas marinhas, e seu aspecto era de fios bem fininhos. O prato chegou à Península Itálica no século 13 graças ao viajante italiano Marco Pólo, que em uma de suas viagens exploratórias, foi até a China e conheceu o macarrão, levando-o para a Itália, onde se tornou um sucesso total! Hoje, o macarrão é produzido em diversos formatos e tamanhos, e vários ingredientes são utilizados na sua produção, inclusive substituindo parcial ou totalmente a farinha de trigo na massa.

Para conhecer a receita de um saboroso taglierini preto à putanesca, clique aqui!

Veja também o vídeo de preparação da receita!
 Visite o site “O gastrônomo” e confira os eventos: “festa da pizza”, “massas”, “risotos”, “oriental” e “mexicano”.
“O gastrônomo” também oferece cursos de “pizzas”, “massas” e “risotos”. Confira tudo isso com o Chef Moisés Costa.  

Apoio: foodbrasil.net

Origem da batata

Você sabia que a batata salvou os europeus da miséria? Pois é, a batata que é originária da Cordilheira dos Andes, na América do Sul, era cultivada pelos povos Incas há mais de 8 mil anos. Quando os espanhois descobriram o novo continente (XVI) e passaram a explorá-lo, conheceram o tubérculo e passaram a utilizá-lo como alimento.
A batata foi levada para Europa ainda século 16 pelos espanhois, justamente num momento em que os europeus enfrentavam uma grave escassez de alimentos: a produção agrícola não acompanhou o crescimento populacional. A batata foi incorporada à dieta europeia, o que solucionou o problema da fome no continente e ainda possibilitou um aumento ainda maior da população nos séculos XVII e XVIII.

 Visite o site “O gastrônomo” e confira os eventos: “festival de pizzas”, “massas”, “risotos”, “oriental” e “mexicano”.
“O gastrônomo” também oferece cursos de “pizzas”, “massas” e “risotos”. Além disso, “O gastrônomo” personalité; com o petit comité, que consiste em eventos para pequenos grupos, como “almoços” e “jantares” sociais ou de negócios, confira tudo isso com o Chef Moisés Costa.  Apoio: foodbrasil.net

História do feijão tropeiro e a mineração no Brasil (XVII)

Pode até parecer estranho, mas existe uma relação bem estreita entre o Feijão Tropeiro e a Mineração no Brasil- Colônia.
Com a descoberta do ouro nas terras que hoje correspondem ao estado de Minas Gerais (XVII), a metrópole portuguesa incentivou a migração de exploradores para a região. Desta forma, Minas Gerais recebeu um número muito grande de pessoas “famintas” por metais preciosos.
Para não concorrer com a economia aurífera, Portugal proibiu qualquer tipo de prática econômica, inclusive de alimentos. Criou-se um problema: como abastecer as regiões das minas de alimentos sem incentivar uma economia paralela à mineração? É aí que entra o Feijão Tropeiro em nossa história!
Os alimentos que eram produzidos nas regiões que hoje correspondem ao sul do país, bem como na Província de São Paulo, passaram a ser transportados até Minas Gerais para abastecer a população mineira. O transporte destes alimentos era feito por tropeiros montados em mulas e burros.
As viagens eram longas e cansativas. Os tropeiros precisavam se alimentar de forma prática e rápida. E assim, surgiu o Feijão Tropeiro. Os tropeiros colocavam em caldeirões os alimentos, como o feijão, a carne seca, carne de porco, farinha e verduras, como a couve, que eram todos cozidos.
Com o passar do tempo, o prato chegou até as minas, tornando-se um prato típico mineiro.
[polldaddy poll=4198081]

Veja esta saborosa receita de “Feijão Tropeiro“!

Veja também o vídeo da preparação!

 Visite o site “O gastrônomo” e confira os eventos: “festival de pizzas”, “massas”, “risotos”, “oriental” e “mexicano”.
“O gastrônomo” também oferece cursos de “pizzas”, “massas” e “risotos”. Além disso, “O gastrônomo” personalité; com o petit comité, que consiste em eventos para pequenos grupos, como “almoços” e “jantares” sociais ou de negócios, confira tudo isso com o Chef Moisés Costa.  Apoio: foodbrasil.net

Gastronomia e história

A História já foi discutida através de várias vertentes:
a História dos grandes feitos, heróis e nações; a História econômica; a História “de baixo para cima”; a História social. Sem ter pretensão de substituir ou subestimar a Historiografia até então utilizada no mundo, a História da Gastronomia torna-se mais um caminho para a compreensão da trajetória do homem pelo emaranhado tempo.

 Visite o site “O gastrônomo” e confira os eventos: “festival de pizzas”, “massas”, “risotos”, “oriental” e “mexicano”.
“O gastrônomo” também oferece cursos de “pizzas”, “massas” e “risotos”. Além disso, “O gastrônomo” personalité; com o petit comité, que consiste em eventos para pequenos grupos, como “almoços” e “jantares” sociais ou de negócios, confira tudo isso com o Chef Moisés Costa.